Segunda-Feira, 23 de Outubro de 2017 às 20:39

Jovem deixa UTI após ser atingida por lancha e ter perna amputada

Teve alta da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Geral de Palmas (HGP) a operadora de caixa Crislania Pereira de Souza, de 21 anos. Ela foi transferida para a ala de internação nesta terça-feira (24), após 53 dias na UTI. A jovem está internada desde o acidente que sofreu em uma lancha no lago de Palmas, no início de setembro, e teve uma perna atingida pela hélice da embarcação. Ela chegou a ficar 16 dias em coma induzido.

O acidente aconteceu no dia 2 de setembro, quando o piloto da lancha, Humberto Clélio Pereira, fez uma manobra. Ele é auditor fiscal do Ministério do Trabalho e alega que estava dando ré lentamente na embarcação e que Crislania escorregou e caiu na hélice.

Amigos da vítima, que estavam no local quando tudo aconteceu, contestam a versão e afirmam que Humberto havia ingerido bebida alcoólica enquanto pilotava e acelerou bruscamente para fazer uma brincadeira. Ele nega as acusações.

Um vídeo de momentos antes do acidente mostra o piloto da lancha ingerindo bebida alcóolica. As imagens fazem parte da investigação que está sendo feita pela Polícia Civil. A Capitania Fluvial do Araguaia-Tocantins também fez perícia na embarcação e prepara um laudo, que ainda não tem data para ficar pronto.

Crislania Pereira teve a perna esquerda amputada. No início de outubro, uma prima da jovem contou que a operadora de caixa ainda não sabia sobre a amputação e não comentava sobre o acidente.

Entenda

Crislania teve a perna atingida pela hélice de uma lancha, no lago de Palmas. O acidente aconteceu no dia 2 de setembro. Ela foi socorrida pelo Samu e levada para o Hospital Geral de Palmas.

Um vídeo foi feito por testemunhas mostra momentos antes do acidente. "Ele acelerou e ela caiu para trás. Ele acelerou fazendo graça, sabe? Como se tivesse brincando. O piloto estava ingerindo bebida alcoólica. Esperou até o Samu chegar, socorrer. Quando nós pedimos para ele esperar a polícia, que nós tínhamos chamado a polícia, para poder registrar o ocorrido, ele foi embora. Ele não quis ficar, saiu meio, um pouco zangado. Aí nós ficamos no local para poder registrar a ocorrência."

O piloto e dono da lancha se apresentou à polícia no dia 3 de setembro. Pereira, que é auditor fiscal do Ministério do Trabalho, disse que tudo "não passou de uma fatalidade" e que poderia ter acontecido com qualquer um. Ele informou também que tinham 10 pessoas na lancha, sendo que a capacidade é para 14.

Tag's: Acidente, lancha, piloto

Fonte: G1

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADES