Segunda-Feira, 24 de Julho de 2017 às 17:32

Desaparecimento de bebê completa duas semanas sem respostas

"A gente nunca espera viver uma situação dessa, é uma coisa que não sei explicar, um sofrimento misturado com tristeza, revolta, tudo junto". O desabafo é de Maria Benedita, tia do recém-nascido de 23 dias que desapareceu do necrotério da Fundação Hospital das Clínicas Gaspar Vianna (FHCGV), em Belém, na semana passada.

Nesta segunda-feira (24), dia em que completa uma semana do sumiço do corpo do bebê, o caso continua sendo investigado e a família sofre sem uma resposta exata do que realmente aconteceu. "Continua do mesmo jeito, nada resolvido. Só Deus sabe quanto tempo vai levar. Por não ter câmeras no hospital, vai ser uma investigação difícil, nossa confiança está em Deus", desabafa a tia.

Maria Benedita conta que a mãe da criança resolveu voltar para o interior onde mora, para ficar mais perto da família. "Esse era o primeiro filho dela e, provavelmente, ela pode não conseguir ter outro. Ela quis ir embora, ficar mais perto da mãe, do esposo. É uma tristeza muito grande para todo mundo".

A tia do bebê vive com o drama de não ter visto o recém-nascido. "O último dia que a mãe viu ele foi no sábado, ainda vivo e, na segunda, quando chegamos ao hospital, recebemos a notícia de que ele estava morto. Não chegamos a vê-lo morto, mas sabíamos que a situação dele era grave", ressalta.

A Polícia Civil informou hoje que o delegado Walter Resende, presidente do inquérito, vai intimar nesta semana outras pessoas para serem ouvidas. Entre a última terça e quarta-feira passada, sete depoimentos sobre o caso foram ouvidos.

Segundo a Polícia, o delegado está aguardando alguns documentos solicitados ao hospital para dar continuidade ao inquérito. Ele aguarda ainda resultados de perícias papiloscópicas (coleta de impressões digitais), feitas pela Diretoria de Identificação da Polícia Civil, quanto de perícias de local de crime realizadas pelo Centro de Perícias Renato Chaves.

O trajeto por onde teria passado o corpo de um bebê que desapareceu no Hospital de Clínicas Gaspar Viana foi refeito por peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, na tarde da última quinta-feira (20). O procedimento faz parte do inquérito, instaurado pela Polícia Civil, que apura o desaparecimento. O prazo para conclusão do inquérito é de 30 dias.

Qualquer informações que ajudem a esclarecer o caso podem ser repassadas ao fone 181, do Disque Denúncia.

Tag's: Pará, Justiça, Polícia

Fonte: DOL

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADESS