Segunda-Feira, 06 de Novembro de 2017 às 10:25

PC não descarta participação de outra pessoa em homicídio de menina de 10 anos

A Polícia Civil do Maranhão segue com as investigações sobre o estupro e assassinato de Alanna Ludmilla, de 10 anos


O ex-padrasto da vítima, Robert Serejo de 31 anos, confessou os crimes e negou que tenha tido a participação de outra pessoa na ocultação do corpo. De acordo com os investigadores, só após a conclusão do inquérito policial é que a participação ou não de outra pessoa será confirmada.

Durante coletiva de imprensa, no último sábado, as autoridades policiais fizeram questão de frisar que a mãe da menina não teve nenhuma participação no crime. A divulgação desta informação falsa em redes sociais causou transtorno maior ainda à família.

O caso começou a ser investigado pela delegacia do Maiobão, bairro de Paço do Lumiar, Região Metropolitana de São Luís, onde o crime aconteceu. Depois, passou para Superintendência de Homicídio e Proteção à Pessoa (SHPP). A princípio, todos os delegados estiveram envolvidos nos depoimentos, mas a delegada Viviane Azambuja agora preside as investigações.

Delegada diz que não há indícios de participação da mãe na morte de Alanna Ludmilla

“Ele (Robert) diz que fez sozinho. A priori, ele é o único acusado, mas ainda estamos investigando e qualquer possibilidade de ter mais uma pessoa, vamos identificar no decorrer das investigações”, declarou a delegada, que informou ainda que o acusado responderá por feminicídio, estupro de vulnerável e ocultação de cadáver.

Outros dados importantes para a conclusão do inquérito virão dos laudos periciais, que devem ser apresentados ainda esta semana aos policiais civis. Dois institutos estão trabalhando com amostras de material, o Instituto Laboratorial de Análises Forenses (Ilaf) e o Instituto de Genética Forense (IGF).

“Poderá ser materializada prova por meio do exame pericial caso tenha tido ajuda de alguém. Porém, como o local foi extremamente violado, muitas provas foram perdidas”, disse a perita criminal Érica Oliveira.

Entenda o caso

Alanna Ludmilla desapareceu na quarta-feira (1º), enquanto estava sozinha em casa durante o tempo em que a mãe dela tinha ido a uma entrevista de emprego. Uma mochila que pertencia a menina foi encontrada em um terreno baldio em um bairro vizinho.

A Polícia Civil chegou a analisar as imagens de câmeras de segurança próxima ao local, no qual o ex-padastro da criança foi visto no momento em que a menina sumiu. Robert Serejo chegou a prestar depoimento na delegacia do Maiobão e horas depois não foi mais localizado, passando a ser o principal suspeito naquele momento, foi quando ele teve a prisão temporária decretada pela Justiça a pedido da Polícia Civil.

No sábado (4), ele foi detido BR-135, tentando sair de São Luís em um veículo de condução coletiva. Robert foi levado por um policial militar à paisana para o posto da PM no bairro da Estiva e lá foi dada voz de prisão. Depois, foi encaminhado para o Centro de Triagem de Pedrinhas.

Tag's: Estupro, criança, padrastro

Fonte: G1

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADES