Quarta-Feira, 08 de Novembro de 2017 às 14:11

CONTRADIÇÃO: Motorista é preso suspeito de matar sogro durante em briga

Um motorista foi preso pela polícia suspeito de matar o sogro, de 46 anos, em Manaus. O Andrelino Mesquita Maia, de 30 anos, foi detido, no início desta semana, depois de cair em contradições em depoimentos dado à polícia, durante investigações sobre o caso. Na delegacia, o suspeito acusou o sogro, Aldivane da Costa Nascimento, de tentar estuprar a ex-esposa e de ter abusado sexualmente da filha na infância. Ele afirma que cometeu o crime para defender a família.

O assassinato ocorreu na noite do dia 29 de outubro deste ano, por volta das 22h40, na residência onde moravam o motorista, o sogro e outros familiares. O imóvel fica situado na Rua Tueré, bairro Monte das Oliveiras, na Zona Norte capital.

O motorista foi preso pela equipe da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) na manhã de segunda-feira (6), por volta das 6h, no local onde ocorreu o crime. O mandado de prisão temporária, com prazo de 30 dias, foi expedido no dia 5 de novembro deste ano.

Segundo o delegado Torquato Mozer, adjunto da DEHS, inicialmente testemunhas e o motorista deram versões diferentes para evitar a prisão de Maia.

"Com a prisão, conseguimos entender o que de fato aconteceu. Inicialmente, as testemunhas presenciais não diziam o que tinha acontecido dentro da casa. Diziam que uma pessoa misteriosa tinha efetuado três disparos e se evadido sem ninguém ver. Porém, a distância das pessoas que estavam dentro da residência e a vítima era menos de dez metros”, explicou o delegado.

Briga

 

A filha e a ex-esposa da vítima disseram, em depoimento para polícia, que Aldivane da Costa estava consumindo bebidas alcoólicas desde cedo, e no fim da tarde iniciou uma discussão com a ex-companheira dele, uma mulher de 46 anos, no andar de baixo do imóvel onde moravam. Os dois não tinham mais relacionamento, mas moravam ainda no mesmo imóvel.

 

Um dos filhos do casal, uma mulher de 28 anos que é esposa de Andrelino Mesquita, teria descido junto com o motorista para verificar o que estava acontecendo. A filha e o genro teriam presenciado Costa tentando estuprar a ex-esposa. Ele teria agredido a mulher e a ameaçando com um revólver calibre 38. O sogro teria atirado uma vez e travado luta corporal com o genro.

“Houve uma briga entre todos que se encontravam na residência em razão de Aldivane realizar violência sexual e física contra a ex-esposa. Andrelino (motorista) desceu de sua residência para tentar apaziguar a briga. No final, Andrelino conseguiu tomar a arma do sogro e efetuou três disparos no calor da briga e somado ao álcool que tinha consumido durante o dia”, relatou o delegado Torquato Mozer.

Aldivane da Costa foi atingido com três tiros e morreu na porta de casa.

Depois da prisão, o motorista confessou ter atirado contra o sogro, mas alegou que agiu para defender a família que estava em perigo.

"Apenas defendi a família porque ele ia matar todos nós. Ele estava descontrolado, muito descontrolado, a ponto de cometer vários assassinatos, inclusive o meu, da minha esposa e da minha sogra. Eu não tive escolha quando fui tirar a arma dele, ele tentou efetuar um tiro e pedi para ele se afastar e ele não se afastou. Ele veio em cima e ele mesmo se matou, não foi eu. Todos os dias ele vinha com agressão e violência", disse o motorista.

Edenilson Hosoda, que é advogado da filha da vítima, afirmou que na infância a cliente dele foi abusada sexualmente pelo pai, Aldivane da Costa.

"Supostamente, a filha foi vítima de abuso sexual entre oito e 10 anos. Por ser um pai autoritário, ele usava do seu poder familiar para intimidar tanto a esposa, com quem conviveu aproximadamente 30 anos, quanto os filhos. São três filhos que ele tem. Além de ingerir bebidas alcoólicas, ele fazia também uso de entorpecente. Toda vez que ele ingeria bebidas alcoólicas, também usava cocaína. Quando fazia uso de bebidas alcoólicas, ele mudava. De pai, como figura familiar, para um pai tipo monstro", afirmou o advogado.

Tag's: Crime, sogro, assassinato

Fonte: G1

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADES