Sábado, 25 de Novembro de 2017 às 13:41

Advogado foi vítima fatal de disparos feitos por delegado no Porão

O advogado Wilson Justo Filho morreu após ser atingido por tiros disparados pelo delegado Gustavo Sotero, plantonista do 1o Distrito Integrado de Polícia. A informação foi confirmada pela Polícia Civil.

Wilson Justo Filho, conhecido como Wilsinho, era presidente do PR de Novo Airão. A esposa dele, identificada como Fabiola Rodrigues Pinto de Oliveira, de 31 anos, também foi baleada, mas segundo a Polícia Civil já teve alta. Outras duas pessoas também ficaram feridas mas já foram liberadas. 

O crime ocorreu por volta das 3h. Informações de testemunhas dão conta de que o delegado estava assediando a esposa do advogado. Os dois tiveram um desentendimento e o delegado efetuou os disparos à queima-roupa. Ele acertou o peito de Wilson Justo. A esposa dele foi baleada na perna. 

Uma viatura da Polícia Militar passava pela área do Porão e avistou a confusão. Os policiais pararam no local e efetuaram a prisão do delegado, que não ofereceu resistência segundo o registro da ocorrência. Ele portava uma pistola Taurus .40. 

Além de advogado e político, Wilsinho também era praticante de rugby. Ele deixa duas filhas. 

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Amazonas, Marco Aurélio Choy, afirmou que a instituição vai acompanhar de perto o caso. “A morte desse valoroso colega advogado não ficará impune”, afirmou.

O ex-deputado Marcelo Ramos, que é do mesmo partido de Wilson, lamentou a morte do advogado, de quem era amigo pessoal. “O Wilson era um amigo querido e um companheiro leal, presidente do PR em Novo Airão. Estamos muito consternados pela dor da família e dos amigos. Esperamos que um crime praticado por um agente do estado não fique impune”. 

Histórico 

Gustavo Sotero, que foi preso em flagrante e indiciado por homicídio doloso e lesão corporal, conforme a Polícia Civil, já se envolveu em uma confusão de trânsito e foi parar na delegacia. Após um acidente, ele se negou a fazer o teste do bafômetro. A polícia chegou a investigar o caso, mas nada ficou comprovado.

Na ocasião, Sotero teria colidido o seu veículo de modelo Gol, cor vermelha, no carro do representante comercial Eduardo Cintrão, sobrinho de um agente da Polícia Federal.

Em depoimento, Cintrão afirmou que o delegado estava com visíveis sinais de embriaguez, e ao tentar negociar o prejuízo do acidente, Sotero teria se alterado. Em seguida, Cintrão acionou uma viatura da Polícia Militar para tentar contê-lo. De acordo com o delegado do 19º Distrito, Maurício Ramos, foi necessário algemar Sotero, pois segundo ele, o mesmo tentou intimidá-los mostrando um revólver.  

Com a chegada da polícia, o delegado se recusou a fazer o exame do bafômetro e foi autuado em flagrante por embriaguez ao volante

No dia 14 de fevereiro de 2014, o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado do Amazonas (Sindepol) se pronunciou sobre o caso. O órgão informou que "feitas as devidas ponderações sobre a desnecessidade de se solucionar questões cíveis no âmbito de delegacias, policiais militares passararam a impurtar o delito de embriaguez ao volante a Autoridade Policial" .

O Sindepol também afirmou que "imagens registradas dão conta que o Delegado Gustavo Sotero mantinha calma e não demonstrava qualquer ato que pudesse atentar contra a ordem pública ou que ensejasse a ordem de prisão da forma como equivocadamente se deu".

 

Tag's: advogado, delegado

Fonte: A Crítica

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADESS