Quarta-Feira, 29 de Novembro de 2017 às 08:09

PF retira comerciantes irregulares do Macapaba

 Agentes da Polícia Federal (PF) cumprem na manhã desta quarta-feira (29) um mandado de desocupação expedido pela Justiça Federal da área comercial do conjunto habitacional Macapaba , localizado na altura do quilômetro 3 da BR-210, zona norte da capital, que foi ocupada irregularmente por comerciantes que não residem no conjunto.

Segundo a oficiala de justiça Terezinha Leite, uma investigação revelou que pelo menos quatro comerciantes de médio e grande porte se instalaram na área sem estarem inclusos no programa. “Pelo que foi determinado, só podem ocupar essa área comercial pessoas que aqui residem. Os comerciantes em questão apenas se instalaram, quebrando as regras existentes”, disse a oficiala.

A ordem para desocupação foi expedida há dois meses pelo juiz federal João Bosco Costa Soares. “Esses comerciantes foram notificados há dois meses. A partir da notificação, eles tinham 15 dias para deixar o local. Se passaram sessenta dias e nenhuma providência foi tomada. Agora estamos entrando com a força policial para garantir o cumprimento da ordem”, explicou.

Ainda de acordo com Terezinha Leite, outro mandado – este de reintegração de posse – está em curso e deverá ser cumprido nos próximos dias. Esse mandado será para retomada dos apartamentos que foram alugados ou invadidos.

“Este mandado será cumprido por outro colega e está em curso. É bom avisar de forma antecipada às pessoas que invadiram esses apartamentos, ou alugaram, que elas serão despejadas. Existem critérios para isso. Contamos com apoio do cadastro da Secretaria de Estado da Inclusão e Mobilização Social (SIMS) nessa consulta”, concluiu.

A operação conta com apoio logístico da Secretaria de Estado da Infraestrutura (SEINF), que cedeu tratores e caçambas; Batalhão de Operações Especiais (Bope); Batalhão de Policiamento de Trânsito (Bptran), Unidade de Polícia Comunitária (UPC) Macapaba, e 2º Batalhão de Polícia Militar (2º BPM).

Tag's: Macapá, PF, Operação

Fonte: DIARIO DO ACO

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADESS