Quarta-Feira, 28 de Fevereiro de 2018 às 14:51

Municípios podem ficar fora do projeto de internet banda larga

Até a última segunda-feira (26/02), somente 9 prefeitos dos 16 prefeitos do Amapá haviam se cadastrado no programa de acesso à banda larga, viabilizado pelo Satélite Geoestacionário Brasileiro de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC-1) operado pela Telebrás.

O alerta foi feito pelo deputado federal, Marcos Reategui, nesta quarta-feira (28), no Jornal da Manhã, que vai ao ar pela Rádio Difusora de Macapá.

Segundo o parlamentar, 30% da internet fornecida pelo satélite será pública e promete uma revolução na vida das pessoas na Amazônia. “Na área da saúde poderá funcionar, finalmente, o prontuário eletrônico. Quem for consultado em Oiapoque poderá acessar esses dados em Macapá.

Além disso, o estoque de medicamentos também poderá ser acompanhado de forma mais transparente. Na educação, os pais poderão saber se existe vaga na escola próximo de sua residência, saber se o aluno esteve ou não na sala de aula, perfil do professor, enfim, tudo isso será possível, explicou Reategui (foto).

No próximo dia 12 de março vai acontecer a assinatura dos convênios com os prefeitos que fizeram o cadastro e assim poderão receber os receptores de internet. Na segunda-feira (26), a Telebras informou que fechou acordo com a empresa norte-americana Viasat para explorar e dinamizar o uso do satélite SGDC-1. A parceria permitirá o avanço no uso comercial da capacidade da banda Ka do satélite o que, na prática, possibilitará levar internet de alta velocidade e acessível para comunidades não atendidas em cinturões urbanos, bem como em áreas rurais e remotas em todo o Brasil.

Pelo acordo, a Viasat ficará responsável por fornecer a infraestrutura para a implementação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), bem como para viabilizar os programas do governo brasileiro voltados para levar inclusão digital a áreas remotas do país, como o Internet para Todos, Governo Eletrônico, Serviço de Atendimento ao Cidadão, Educação Conectada e outros.

Em troca, a Viasat poderá comercializar a banda Ka do equipamento espacial, com aproximadamente 58 Gbps, para oferecer serviços de banda larga no Brasil para empresas, mercado de aviação civil e serviços residenciais baseados em wi-fi em regiões com carência de infraestrutura.

De acordo com a Telebras, os equipamentos da Viasat começam a ser enviados para o Brasil ainda este mês e os primeiros serviços devem ser ativados em abril de 2018.

A Telebras disse ainda que a parceria deve proporcionar maior competitividade ao mercado brasileiro de internet banda larga via satélite, na “medida em que a Viasat antecipar sua entrada no Brasil, gerando uma maior oferta de serviços, produtos e preços em qualquer região do país”.

A parceria foi estruturada em um modelo de compartilhamento de lucros e resultados, pelo qual a Telebras espera gerar mais de R$ 3,3 bilhões para a empresa nos próximos anos. Segundo o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, o acordo com a Viasat permitirá “estabelecer a infraestrutura necessária para trazer comunicações de dados de grande alcance, confiáveis e de alta velocidade para os brasileiros – mesmo nas regiões mais distantes e menos povoadas do país.” (Com informações da Agência Brasil)

Tag's: amapa, internet, municipios

Fonte: Agencia Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADESS