Quinta-Feira, 26 de Outubro de 2017 às 13:05

Faltam leitos em centro especializado que atende pacientes com HIV

A falta de leitos no Centro de Doenças Transmissíveis (CDT), em Macapá, tem preocupado a Associação de Amigas e Mulheres Amapaenses Posithivas (Amaph). O problema ficou evidente após um homem de 46 anos com HIV não conseguir transferência do Hospital de Emergência (HE) para a unidade.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), o Centro de Doenças Transmissíveis não é o único local que realiza atendimentos para soropositivos e destaca que a instituição não é voltada apenas para casos de HIV.

De acordo com a secretária-adjunta de atenção a saúde, Eli Costa, o centro atua com diversas doenças transmissíveis, não exclusivamente com as sexuais. Ela destaca que atendimentos voltados para pessoas portadoras de HIV podem ser encontrados também em outras unidades de saúde, como o Hospital da Mulher Mãe Luzia e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

“Atuamos com algumas especialidades. Não existe o profissional específico para HIV. Como é uma síndrome, envolve várias áreas”, explicou Eli.

Para a presidente da Amaph, Márcia Pinheiro, o problema enfrentado pelo paciente que aguarda transferência no HE é o mesmo dos 240 novos diagnosticados somente em 2017. O homem de 46 é morador de rua e deu entrada no hospital na quinta-feira (26) em busca de atendimentos específicos.

“Estamos com um associado que está desde quinta-feira esperando um leito. Ele precisa ser transferido, está bastante debilitado. E o CDT alega que não tem leito”, ressaltou.

Márcia conta que sofre com o descaso do poder público em relação aos soropositivos do Amapá. Segundo a presidente da associação, a falta de atenção e ajuda pode contribuir no avanço da doença para Aids, que leva a morte.

“Eu acho essa situação um absurdo. Temos dois leitos no estado destinado para pessoas com HIV positivo e a demanda é muito grande. Só nesse ano, tivemos mais de 240 novos casos de soros positivos no estado”, finalizou.

Tag's: HIV, hospital, saúde

Fonte: G1

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADES